sexta-feira, março 14, 2008

Lixo: um problema que aumenta

Estádio Olímpico, o “Mangueirão”, em Belém-Pará-Brasil

O que fazer com as embalagens é uma pergunta que está na ordem do dia. O progresso, a tecnologia, ao tempo em que facilita a vida do ser humano, diminuindo esforço e as dificuldades naturais enfrentadas pelos seus antepassados, traz, em contrapartida, gigantescos problemas. Um destes, enfrentado pela geração atual, tendente a aumentar gradativamente, é o lixo. O que fazer com o lixo produzido diariamente? A Europa já enfrenta problemas gravíssimos em saber o que fazer com o lixo produzido. Recentemente oito países europeus, entre os quais Itália e França, receberam alerta final da Corte Européia de Justiça, sob pena de multas graves, para implantar leis que estabeleçam diretrizes para lidar com o lixo elétrico e eletrônico, tendo em vista as formas erradas de descartar equipamentos eletrônicos, incluindo os de informática e telecomunicações, pois muitos de seus componentes contêm metais pesados que são prejudiciais à saúde humana e de animais, por causar contaminação da água. Na China, onde a população consome 3 bilhões de bolsas descartáveis por dia, uma grave ameaça ao meio ambiente, segundo noticiado no início do ano, as lojas estarão proibidas de dar sacolas plásticas a seus clientes a partir de 1º de junho. A distribuição gratuita e a produção de bolsas plásticas com uma espessura inferior a 0,025 milímetro ficarão proibidas. Segundo uma ordem divulgada pelo Conselho de Estado, a distribuição gratuita e a produção de bolsas com uma espessura inferior a 0,025 milímetro ficarão proibidas, com uma pena de multa ainda não especificada. O governo chinês quer que a população volte a usar bolsas de tela e cestas para acondicionar suas compras. A diferença do lixo doméstico produzido na primeira metade do século passado para os dias atuais é que antes grande parte era composta de material de fácil decomposição, algum até servindo de adubo, diferentemente com o de hoje quando predomina o plástico, cujo tempo de decomposição na natureza é estimado em mais de cem anos. No início desta semana foi aberto no Pátio Brasil Shopping, em Brasília, a exposição Boas Práticas e Inovações em Embalagens, que marca o lançamento da campanha Consumo Consciente de Embalagens, do Ministério do Meio Ambiente (MMA), cuja iniciativa pretende fazer com que o consumidor reflita sobre os muitos invólucros dos produtos que consume no dia-a-dia, coincidindo essa exposição com a Semana do Consumidor, encerrando no sábado, 15. A exposição pretende estimular o consumidor a prestigiar empresas preocupadas com o meio ambiente e a demandar do mercado que novas alternativas e soluções sejam empregadas em larga escala. Haverá distribuição de material informativo sobre o tema e apresentação de iniciativas que privilegiem o uso racional de embalagens. Segundo técnicos do Departamento de Economia e Meio Ambiente, do MMA, a idéia é levar o consumidor a avaliar a quantidade de embalagens que ele leva ao comprar um produto e, assim, a decidir se de fato precisa de todas elas, ressaltando que é preciso avaliar a embalagem tendo em mente alguns critérios: se é reciclável, se pode ser reutilizada, se é feita de material reciclado e qual o consumo de energia e matéria-prima empregados para fabricá-la. Esse tipo de iniciativa do MMA, precisa chegar a nossa Região e por aqui e ser implementado, cabendo aos representantes do povo pleiteá-la junto ao Poder Público, disponibilizar parcerias e estimular a coletividade a participar de um problema que é de todos, pois, já se antevê, conforme estudos técnicos, que diante da crescente produção de lixo não haverá no futuro mais local para seu descarte, problema que vem sendo enfrentado atualmente pela Europa.

********************

No Brasil, vige desde 22 de julho de 1999 (data de publicação), a Resolução 257, do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), estabelecendo a obrigatoriedade de procedimentos de reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequada para pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos. Alguém lembra de ter feito o descarte da velha bateria de celular adequadamente?

Nenhum comentário: